#Conceitos

Porque as "Passive Houses" são tão importantes?

Nos dias de hoje, as “Passive Houses” (“Casas Passivas”) assumem especial importância, tendo em conta que as cidades ocupam apenas 3% do planeta terra e consomem 75% dos seus recursos, por isso, é imperativo combater as emissões de CO2 dos centros urbanos

19/08/2022

passive house_Prancheta 1

O imóvel perfeito, é aquele no qual nos sentimos “em casa” – proporciona conforto, saúde, é eficiente e respeita o meio ambiente, resultando em baixos gastos de energia e numa ínfima pegada ecológica. Esta é a definição de Passive House.

Este tipo de construção é adaptável a diferentes condições climáticas, culturais e económicas, assenta, principalmente, no elevado desempenho energético dos edifícios e na qualidade do ambiente interior, enquanto, simultaneamente, é economicamente acessível e sustentável. 

Com efeito, uma habitação Passive House atinge elevados níveis de eficiência energética e contribui para a saúde e conforto dos seus habitantes, é desenvolvida para ser uma habitação saudável e sustentável, com custos de manutenção e energéticos abaixo dos de um edifício convencional.

O conceito de “Casa Passiva” nasceu na Alemanha (passivhaus house), em 1988 pelo Prof. Bo Adamson e Dr. Wolfgang Feist, que construíram o primeiro edifício passivo em Darmstadt, em 1991 –  31 anos depois, o edifício continua a ser tão eficiente como era quando foi construído.

Este tipo de construção define um padrão de construção internacional, focado em sustentabilidade, onde a engenharia e a arquitetura se articulam para utilizar os recursos disponíveis de forma mais inteligente, tirando o maior proveito dos mesmos.

A certificação deste tipo de imóveis é feita pelo Passivhaus Institut, que determina se o edifício cumpre todos os requisitos.

Os 5 pilares da construção passiva são:

  • Excelentes níveis de isolamento;
  • Redução das pontes térmicas;
  • Estanquidade ao ar;
  • Sistemas de ventilação com recuperação de calor;
  • Portas, janelas e restantes envidraçados eficientes.

Existem aproximadamente

0
Passive Houses em todo o mundo

Mais-Valias das Passive Houses

De forma sintética, comparando com outros edifícios, uma Passive House apresenta uma melhor qualidade do ar interior, níveis superiores de conforto térmico, melhoria dos níveis de conforto acústico, níveis de eficiência energética mais elevados e redução das emissões de CO2.

Qualidade de vida e conforto

Boa qualidade de ar e conforto térmico (temperatura mínima 20ºC e temperatura máxima 25ºC) e variações térmicas quase inexistentes.

Custos reduzidos

Custos de operação mais baixos, devido às reduzidas necessidades energéticas e de manutenção.

Eficiência Energética

Poupanças energéticas atingem os 75% em comparação com os edifícios convencionais e 90% quando comparado com edifícios mais antigos.

Edifício Saudável

Tendo por base os princípios da física, evita o surgimento de patologias nos edifícios e otimiza o seu desempenho.

Sustentabilidade

Reduzem drasticamente as emissões de CO2 e contribuem para a proteção climática, também, pela utilização de energias renováveis.

Entrevista ao Engº Joaquim Teixeira

passive houses engenheiro

Estivemos à conversa com Engº Joaquim Teixeira, parceiro de longa data nos projetos Metathesis, que nos deu o seu parecer sobre o futuro da construção sustentável em Portugal e desmistificou várias ideias erradas sobre as Passive Houses. 

O mundo precisa de respostas urgentes para combater as alterações climáticas. Em que medida podem as Passive Houses contribuir para este futuro mais sustentável?

Os edifícios, são uma grande fonte de emissões e ineficiências térmicas, que podem ser resolvidos através de construções que consomem tão pouca energia quanto possível e que também proporcionam uma ventilação eficaz. 

As reduções da energia das casas passivas podem chegar aos 75% quando comparados com um edifício novo, construído de acordo com a regulamentação em vigor, com estes dados é irrefutável que as casas passivas contribuem, e muito, para um mundo mais sustentável.

Prevalece o mito de que, ao optar por uma passive house, abrimos mão da arquitetura mais personalizada…

É mesmo um mito, porque a opção por uma casa Passive House não condiciona as escolhas arquitetónicas, não obriga à escolha de materiais específicos e diferentes dos usuais no mercado, nem obriga a um método construtivo específico. Em termos de aparência não é possível reconhecer uma casa passiva. 

Também existem muitas pessoas que acreditam que este tipo de construção é mais cara do que a construção tradicional…

Mais um mito. Ao utilizar os recursos de forma inteligente é, muitas vezes, possível construir com o mesmo investimento de um imóvel standard. Para além disso, existem pequenos pormenores que as passive house consideram, que não acrescem qualquer custo ao processo, apenas o tornam mais eficiente, como por exemplo, definir uma boa orientação do edifício permite otimizar a exposição solar.

Que adjetivos utilizaria para descrever uma passive house?

Conforto, saúde, economia e sustentabilidade!